Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Recomendação do Curso
168ª Reunião CTC-ES/CAPES (21 a 25 de novembro de 2016) 
Endereço
Faculdade de Engenharias, Arquitetura e Urbanismo e Geografia - Cidade Universitária s/n 
Cidade
CAMPO GRANDE 
Telefone
(67)3345-7392 
Email
ppgee.faeng@ufms.br 
Site
www.posgraduacao.ufms.br 
Área
ENGENHARIA ELÉTRICA 
Local
Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica 
>>Atenção Candidato<<
Clique no item "Arquivos para inscrição" no menu à esquerda para acessar os documentos importantes para o processo seletivo.
Resumo das linhas de pesquisa

Processamento Eletrônico de Energia 

 

Esta linha de pesquisa tem como foco central as aplicações resultantes da área tecnológica de eletrônica de potência, ciência com aplicações mais amplas e diversificadas da engenharia elétrica e chave para o desenvolvimento sustentável dentro dos novos paradigmas tecnológicos e ambientais. Dentro da eletrônica de potência, os acionamentos eletrônicos, os controles de sistemas automatizados e os conversores para utilização em sistemas de energia alternativa e renovável são as aplicações já consolidadas de parte do corpo docente vinculado a esta proposta e de grande importância regional. A demanda pelo suprimento de energia na região do Pantanal, que precisa ser disponibilizada em locais de difícil acesso e com baixo impacto ambiental, é uma das razões para o destaque das fontes renováveis e alternativas de energia, fundamental para aumentar a capacidade de geração de energia aliada a busca por redução das emissões de gás carbônico buscando redução de impacto ambiental. Além disto a abundante irradiação solar na região e o custo elevado da energia elétrica acima da média nacional tem estimulado a geração distribuída conectada à rede elétrica. Neste contexto, as aplicações de eletrônica de potência, com foco na área de processamento eletrônico de energia, que estão incluídas nesta linha de pesquisa estão a integração de múltiplas fontes de energia no sistema elétrico, atendendo as normas de conexão, de anti-ilhamento, de sincronização e de maximização da produção de energia; isto com o uso de conversores eletrônicos de potência para atender ao controle do fluxo de energia em níveis e qualidade desejadas, que possam atender não somente sistemas conectados mas também ilhados (alimentação de cargas prioritárias). A cogeração de energia elétrica em processos industriais para redução do consumo e aumento da viabilidade dos processos, além da utilização desta energia tanto em média como em baixa tensão vislumbrado a diversificação da matriz energética do estado também é essencial para o desenvolvimento da região bem como a aplicação de fontes alternativas para o abastecimento de energia elétrica em processos agrícolas, irrigação, abastecimento de água ou refrigeração. Um tópico de interesse especial está nas redes inteligentes, as denominadas smart grids, que utilizam conversores eletrônicos de potência de forma interativa, e a interação das redes com veículos elétricos/híbridos ou demais fontes, cargas e armazenadores de energia, caracterizando contribuições para o futuro uso e disseminação das redes inteligentes. Para se obter sistemas de alta eficiência, de alta confiabilidade, de baixo peso e custos, com vida útil média elevada além de segurança operacional, os conversores eletrônicos de potência demandarão estudos e desenvolvimentos de algoritmos, métodos e sistemas de controle específicos capazes de serem integrados a processadores digitais de sinais, como DSPs e FPGAs, para prover adequada flexibilidade para a concepção das lógicas de controle. Por outro lado, o acionamento eletrônico de sistemas merece destaque especial, com os conversores para o acionamento de máquinas, com drives adequados para a melhoria de desempenho, reduzindo o consumo e melhorando a autonomia e o desempenho em veículos elétricos, híbridos ou autônomos, que devem estar vinculados às futuras redes inteligentes. Finalmente, mas não menos importante, estão os sistemas de processamento eletrônico e eficiente para sistemas de iluminação fluorescente e a LED a fim de maximizar a economia de energia; sistemas estes que podem evoluir com comandos em redes sem fio, tais como bluetooth e wi-fi e gerenciamento local e remoto, tanto para conversores únicos quanto para múltiplos conversores.


 

Sistemas de Decisão Baseados em Computação Flexível

 

A modelagem de dados utilizando ferramentas de computação flexível é fundamental nas diversas áreas envolvidas em sistemas de energia. Tais modelos são utilizados para monitoramento dos sistemas de segurança, para o controle e operação eficiente e para a tomada de decisão relativa à gestão de tais sistemas (manutenção, comercialização, etc). Esta linha de pesquisa envolve, entre outros tópicos, a aplicação de modelos de decisão baseados em dados através de ferramentas estatísticas paramétricas e não-paramétricas, de modelos auto-associativos e de análises multivariadas a fim de, aperfeiçoar o sensoriamento, permitir diagnósticos, prognósticos e aumentar precisão, exatidão ou tolerância a falta. Entre as diferentes técnicas de computação flexível estão: regressões ponderadas localmente, regressões kernel, algoritmos genéticos, evolução diferencial, conjuntos aproximados (rough sets), conjuntos nebulosos (fuzzy sets), análise de componentes principais e técnicas estatísticas no domínio do tempo e da frequência. Projetos e trabalhos nesta linha de pesquisa envolvem a aplicação destas técnicas em controle não convencional, diagnóstico, prognóstico, predição, sistemas de apoio a tomada de decisão, entre outros. De maneira mais especifica, entre os diversos problemas a serem estudados nesta linha de pesquisa, estão:

- Sistemas inteligentes de diagnósticos de equipamentos e processos para indústrias de energia elétrica, petróleo e gás, agroindústria, entre outros;

- Sistemas de prognóstico para gestão/manutenção;

- Modelagem de dados para tomada de decisão no setor elétrico (gestão de contratos, combate a perdascomerciais e recomposição de sistemas de distribuição);

- Ampliação da capacidade de geração em sistemas de energia a partir de modelos e ferramentas de otimização;

- Tomada de decisão no gerenciamento ótimo de energia em sistemas híbridos isolados (micro-redes);

 

- Desenvolvimento e aplicação de controladores não convencionais para sistemas e processos.