Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul
Recomendação do Curso
OFÍCIO Nº 491-09/2007/CTC/CAA/CAPES, de 17/12/2007 - Conceito 3 (Triênio 2010-2012) 
Endereço
Rua Domingos Sahib, 99 - Bairro Cervejaria - Corumbá/MS 
Cidade
CORUMBÁ 
Telefone
(67)3234-6219 
Email
ppgef.ufms@gmail.com 
Site
http://ppgefcpan.ufms.br/ 
Área
INTERDISCIPLINAR 
Local
Programa de Pós-Graduação em Estudos Fronteiriços 
>>Atenção Candidato<<
Clique no item "Arquivos para inscrição" no menu à esquerda para acessar os documentos importantes para o processo seletivo.
Linhas de Pesquisa do Curso

Área de concentração: Estudos Fronteiriços

Linhas de Pesquisa


Desenvolvimento, Ordenamento Territorial e Meio Ambiente

Esta linha de pesquisa abarcará a distribuição espacial e setorial de atividades sócio-econômicas e de gestão e desembocará na análise da contribuição da ciência e tecnologia para o desenvolvimento, contemplando questões específicas como arranjos produtivos locais, redes de cooperação, mercado de trabalho, impactos socioambientais do desenvolvimento e análise de políticas públicas, inclusive problemáticas específicas como poder local, planejamento urbano, regional e turismo. Estudará os aspectos sociais, demográficos, econômicos e os sistemas organizacionais, buscando a compreensão da dinâmica do funcionamento e de seus agentes numa perspectiva intervencionista são os objetivos desta linha de pesquisa.

Abordará o processo de ordenamento territorial na promoção do desenvolvimento se uma região fronteiriça, analisando os arranjos territoriais como expressões dos processos de organização do espaço rural e urbano, da valorização diferenciada dos mesmos e dos impactos ambientais produzidos no território.

Esta linha enfoca os diferentes processos econômicos e organizacionais de integração do território fronteiriço nos sistemas de produção e inovação, como as redes de cooperação empresarial na região fronteiriça, os consórcios de prestação de serviços, os sistemas de educação e saúde, as redes de cidades e/ou aglomerados urbanos, as economias de aglomeração, enfim, os diferentes arranjos de produção e de inovação determinantes das diferentes dinâmicas de organização social do desenvolvimento de regiões de fronteira.

 

 

Ocupação e Identidade Fronteiriças

Esta linha de pesquisa volta-se para o estudo da ocupação histórica da região cisplatina, em especial para as fronteiras construídas ao longo do rio Paraguai e as identidades culturais que desse modo foram forjadas, a partir da presença de naões indígenas e de portugueses, espanhóis, brasileiros, paraguaios, bolivianos e outros estrangeiros das mais variadas nacionalidades.

Busca, pois, a dinâmica da diacronia da história e a tensão do sincrônico que emerge da vida cultural, particularmente da literatura, do multiculturalismo decorrente da amálgama de diferentes culturas que convivem nesse espaço geográfico, das especificidades lingüísticas resultantes, dentre outros fatores, do contato entre línguas que, por sua vez, gera situações de bilingüismo, fenômeno que interfere tanto na comunicação cotidiana como questão do ensino-aprendizagem no ambiente fronteiriço. Estuda as legislações nacionais, os tratados internacionais, a produção literária, a diversidade lingüística, as crenças e atitudes linguísticas do homem pantaneiro e do habitante da fronteira, as práticas econômicas lícitas ou ilícitas, as manifestações religiosas e culturais dos povos que fizeram e fazem da fronteira Oeste uma região em permanente busca de interpretação para sua identidade.

A concepção desta linha está alicerçada na interdisciplinaridade. Visa, igualmente, aprofundar conhecimentos relacionados à promoção do desenvolvimento de uma região fronteiriça. Portanto, fomentará pesquisa que atenda as mudanças das instituições econômicas, das organizações políticas da sociedade civil, mudanças tecnológicas ambientais, bem como as alterações próprias às esferas jurídicas e simbólicas (costumes, língua, religião, etc.) que normatizam e orientam o universo das representações dos membros de uma comunidade fronteiriça.

Abordará os processos sociais, culturais e políticos do desenvolvimento da região fronteiriça com ênfase nas políticas públicas, assim como nas formas de capital cultural e social de uma região. Analisará fenômenos a mártir de sua matiz histórica e de sua expressão cultural das identidades regionais.


 

Saúde e Trabalho da População de Fronteira

 

A Saúde do Trabalhador, enquanto campo de conhecimento, é uma construção que combina um alinhamento de interesses em determinado momento histórico, onde as questões, politicamente colocadas, adquirem relevância e onde há condições de discuti-las e enfrentá-las sob os pontos de vista científico e epistemológico. Como todo campo científico mediado por relações sociais, as contradições que marcam as relações entre capital e trabalho se encontram presentes, e permeiam as concepções, relações de força, monopólios, estratégias e práticas de profissionais com atribuições e compromissos diferenciados na área.

Esta linha de pesquisa estará em permanente construção, configurada numa trama de relações que reflete consciências e vontades individuais e coletivas. Além de estabelecer associações entre trabalho e a saúde deve desafiar a capacidade explicativa simples, ultrapassando os locais de trabalho através de uma teorização dialética e complexa, considerando a dimensão histórica e social do trabalho, e de uma multiplicidade de agravos potenciais à saúde. È por natureza um campo interdisciplinar e multiprofissional, já que nenhuma disciplina isolada consegue contemplar a abrangência da relação processo trabalho-saúde em suas múltiplas e imbrincadas dimensões. O tratamento interdisciplinar implica a tentativa de estabelecer e articular dois planos de análise: o que contempla contorno social. Econômico, político e cultural e o referente a determinadas características dos processos de trabalho com potencial de repercussão na saúde.

As abordagens usadas na linha de pesquisa Saúde e Trabalho da população de fronteira poderão tanto ser quantitativas, qualitativas e mistas, privilegiando a utilização de instrumentos já adaptados e validados para o português. Esta linha analisará as associações existentes entre características psicológicas, sociais, econômicas e culturais. Enfoca, dentre outros temas, os efeitos das substâncias químicas na saúde humana; saúde mental e grupos de trabalho específicos; relações entre o risco de contaminação de HIV e perspectivas de futuro da população vinculada ao turismo de pesca; características temporais das atividades e da divisão do trabalho, sobre a saúde, vida sócio-familiar e profissional; relações entre trabalho e riscos, queixas, sinais, sintomas, patologias e acidentes; representações sociais do trabalho e da vida de trabalhadores/as.